• Márcia Carini

A casa do filme Parasita e seu arquiteto fictício

Esse texto não tem spoiler (eu acho). E acredito que você tenha caído aqui porque já viu o filme e procurou algo sobre aquela casa. Vou contar como ela foi projetada. E também como se desenvolveu a pesquisa que definiu a casa da família pobre. Não dá para falar de uma sem falar da outra… O filme sul-coreano que ganhou Palma de Ouro no Festival de Cannes 2019, dirigido e roteirizado por Bong Joo-Ho, conseguiu sintetizar o contraste social do nosso tempo no jeito de morar de duas famílias. E me tocou profundamente a delicadeza com que a casa principal, projetada por um arquiteto fictício, chamado Namgoong Hyeonja, se torna o desejo e o símbolo de ascensão. Não é o carro. Não é o tênis. Não é a jóia. É a casa. Ou… talvez… seja o Sol


Esse texto foi originalmente escrito para o site casa.com.br. Continue lendo.


4 visualizações